O responsável fez esta declaração numa videoconferência organizada, esta sexta-feira, em Roma, pela Câmara de Comércio Itália–África, que trabalha para a criação de políticas de parcerias, facilitação e materialização de linhas de financiamento existentes para a África, bem como a disseminação do potencial dos países africanos.

No encontro, organizado sob o lema “Polo Sul Magnético & Internacionalização em África” e em que participou a embaixadora Maria de Fátima Jardim, foi apresentado um conjunto de preocupações que, na sua generalidade, têm afectado o normal funcionamento das políticas de implementação das trocas comerciais entre a UE e a África e certos programas de desenvolvimento em várias regiões do continente africano.

De acordo com Amadeu Leitão, o evento acontece num momento em que as trocas comerciais entre Angola e os países membros da UE pretendem intensificar e ganhar novos espaços, especialmente na região da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), sendo a avaliação do comércio inter-regional e da sua industrialização pela recente Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da região mais importante factor de integração e parcerias para o desenvolvimento

Nessa perspectiva, afirmou, o Governo angolano tem trabalhado arduamente no sentido de promover o desenvolvimento sustentável, reiterando a “confiança inequívoca” de continuarem a trabalhar em parceria com a União Europeia no processo de reformas em curso no seu país.

“Devido à crise financeira derivada da baixa do preço do petróleo, agravada pela covid-19, Angola está a viver  novos desafios. Estamos constantemente a trabalhar por novos projectos e oportunidades de financiamento, para criarmos empregos, sobretudo, para a juventude, bem como aumentar o rendimento social através do fomento de parcerias”,  sublinhou.

Ainda devido por causa da pandemia da covid-19 no mundo, o secretário de Estado defendeu a troca de experiências e informações sobre a situação de emergência e calamidade global, tendo reafirmado o compromisso do Governo angolano de colaborar na busca de soluções e oportunidades de cooperação que reforcem o crescimento, a solidariedade e amizade entre os povos.

Defendeu a continuidade da cooperação para o crescimento e desenvolvimento, pois todos “temos que aprender uns com outros, e esta parceria entre a África e a UE é estratégica e tem marcado passos importantes na inovação tecnológica, para que a África se capacite para o desenvolvimento”.

Ao enaltecer a importância do evento, Amadeu Leitão felicitou os organizadores pela iniciativa e disse esperar que, através de Câmaras de Comércio, empresas e parcerias público-privadas, se possa caminhar para a estabilidade económica e social, criando desta forma as bases para a uma parceria estratégica entre a África e a União Europeia.

Convidou a Câmara de Comércio Itália-África a visitar Angola para poder divulgar a imagem real do país africano, promover a troca de informações sobre os recursos naturais e trabalhar de forma conjunta, se necessário, em áreas consideradas fundamentais para o fomento de parcerias com a União Europeia.

No final do evento, no qual a embaixada angolana se fez representar também pelo segundo secretário para a área comercial, Sérgio da Costa, o presidente da Câmara do Comércio Itália-África, Alfredo Carmine Cestari, enalteceu as contribuições dos convidados. Angola está entre os países prioritários do projecto.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.