O técnico de basquetebol de formação do 1.º de Agosto, Paulo Macedo, de 52 anos de idade, disse esta semana que o referido sector da modalidade "não está tão mal" no país como se tem dito nos últimos tempos.

“Não acho que estamos assim tão mal. Nós precisamos melhorar em algumas coisas que temos de refletir e continuar a trabalhar. Não estou de acordo com aqueles que acham que o nosso basquetebol está muito mal e no fundo do poço”, realçou.

De seguida, admitiu que devem ser melhorados o treinamento e as competições. “Aí é que está o calcanhar de Aquiles”, ironizou. Porém aconselhou as pessoas a serem mais realistas possíveis quando estiverem a comentar sobre o basquetebol de formação.

Macedo recordou que as selecções em sub-16 e 18 sagraram-se recentemente campeãs africanas das respectivas categorias, reforçando que os atletas são formandos dos técnicos dos clubes nacionais.

Fez saber também que os últimos atletas que emigraram para os campeonatos estrangeiros foram formados nos clubes nacionais. Entre os quais, destaque para Bruno Fernando que milita na NBA pelo Atlanta Hawks e Silvio Sousa da Universidade de Kansas.

“O número de atletas que temos neste momento fora do país, fundamentalmente nos Estados Unidos, saíram de Angola praticamente aos 15 a 16 anos e com as bases do nosso basquetebol”, esclareceu.

Por outro lado, o técnico apelou à família da modalidade a estar mais unida. “Precisamos uns dos outros. Infelizmente em Angola não há nenhum licenciado em basquetebol. Se nós começarmos a pensar sem intrigas e rasteiras, vamos chegar lá”, concluiu.

Macedo orientou a equipa principal de basquetebol do 1.º de Agosto e conquistou dois campeonatos nacionais, duas Supertaça, igual número de Taça dos Clubes Campeões Africanos e uma Taça de Angola. Conquistou um campeonato africano ao serviço da Selecção Nacional sénior masculina.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.