Contudo, o combinado nacional deverá escalar a capital sul-africana de Joanesburgo, de prosseguirá a viagem, às 19h00, para a capital zambiana.

Para esta missão, o seleccionador levou 20 jogadores, dentre os quais sete “mundialistas” do Brasil/2019 em Sub-17, com destaque para Afonso Binga, Geovani de Carvalho e Zini, este último o artilheiro do grupo.

Seguiram igualmente viagem N'sesani Simão, Euclides dos Santos “Kelson”, Gladilson, Dos Santos, Picas, Beni, Gegé, Aldair Domingos, Mandelé, Melono Dala, Diogo Nguangua, Telson Tomé e Mário Silva.

Benvindo Afonso, Carvalho dos Santos “Castro”, Pedro Agostinho e Carlos Manuel “Balsa”, completam o plantel.

Em declarações à imprensa, no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, momentos antes do embarque, o técnico angolano Silvestre Pelé, disse que o objectivo primário é a conquista do troféu em posse da África do Sul.

Angola está no Grupo C, ao lado de Moçambique, e-Swatini e Ilhas Seychelles, adversários que deverá “derrubar”, para melhorar o terceiro lugar da edição passada, disputada também na Zâmbia.

Este ano, a prova conta, além de Angola e da anfitriã Zâmbia, com as participações do Botswana, Ilhas Comores, Eswatini, Lesoto, Malawi, Maurícias, Moçambique, Seychelles, África do Sul e mais uma convidada.

Serão formados três grupos de quatro selecções cada. Os primeiros classificados de cada série, mais o melhor segundo entre todos apuram-se para as meias-finais. A África do Sul conquistou as duas últimas edições.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.