O chefe de Estado zimbabueano falava aos jornalistas no aeroporto 04 de Fevereiro, em Luanda, ao terminar uma visita de algumas horas a Luanda, durante a qual manteve uma reunião com o Presidente angolano, João Lourenço.

"Tivemos boa discussão e acordamos em melhorar as nossas relações. Dentro em breve teremos uma reunião da comissão conjunta para promover essa relação principalmente na área económica", disse Emmerson Mnangagwa.

De acordo com informação confirmada à Lusa pela Casa Civil do Presidente da República, em Luanda, João Lourenço recebeu o chefe de Estado interino zimbabueano na sua qualidade de presidente do Órgão para Politica, Defesa e Segurança da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), para abordar questões relativas à "situação política" naquele país.

O estado de preparação das eleições presidenciais, "com vista a legitimar a transição em curso" no Zimbabué, foi um dos temas, esclareceu a Casa Civil do Presidente da República angolano.

"Vim para informar sobre a transição humilde e pacífica que aconteceu recentemente no Zimbabué", explicou Mnangagwa.

Na qualidade de presidente daquele órgão de defesa regional, João Lourenço chegou a receber em Luanda, a 21 de novembro, uma reunião tripartida da SADC, para analisar a situação política que então se verificava no Zimbabué, entre militares e o Presidente Robert Mugabe.

Entretanto, o líder da oposição no Zimbabué admitiu esta segunda-feira a possibilidade de desistir da candidatura às eleições presidenciais deste ano, indicando estar a analisar a possibilidade de deixar o futuro do país nas mãos da nova geração.

Morgan Tsvangirai, de 65 anos e que luta há dois contra um cancro no cólon, lidera o maior partido da oposição zimbabueana, o Movimento para a Mudança Democrática (MDC, na sigla inglesa) desde a fundação desta força política, em 1999.

Se se confirmar a desistência do líder da oposição, as eleições presidenciais no Zimbabué, previstas para meados deste ano, serão as primeiras sem a presença do ex-chefe de Estado Robert Mugabe e Tsvangirai.

Mugabe, 93 anos, resignou em novembro após pressão dos militares, tendo também deixado a liderança da União Nacional Africana do Zimbabué - Frente Patriótica (ZANU-PF), no poder desde a independência do país (antiga Rodésia), em abril de 1980.