O presidente do Vitória de Guimarães assegurou esta quinta-feira que não existe qualquer querela com Gonçalo Reis, agente que diz ter um contrato exclusivo de representatividade de Bebé, futebolista filho de cabo-verdianos, contratado quarta-feira pelo Manchester United.

“A questão dos empresários está resolvida, está tudo resolvido com Gonçalo Reis desde ontem [quarta feira] à noite”, assegurou Macedo da Silva.

Opinião contrária tem Gonçalo Reis que afirma ter em sua posse um contrato de exclusividade do jogador, pelo que teria de ter estado presente nas negociações.

Contactado pela agência Lusa, o empresário remeteu uma tomada de posição para mais tarde.

O dirigente vitoriano, que falava em conferência de imprensa sobre a venda de Bebé para o clube inglês, confirmou que foi o empresário Jorge Mendes e a sua empresa (Gestifute) que intermediaram a operação.

“Jorge Mendes foi o baluarte desta transferência. Com todo o respeito pelos outros agentes, este país deve-lhe muito porque consegue fazer grandes transferências e trazer dinheiro para Portugal porque isto é como uma exportação”, referiu Macedo da Silva.

Quanto à transferência, Macedo da Silva disse que o clube está “orgulhoso” e revelou ter recebido mais quatro propostas de grandes clubes europeus, tendo sido Bebé a escolher o Manchester United “por sua livre vontade”.

Bebé, internacional sub-19 (completou 20 anos em Julho), jogava na época passada no Estrela da Amadora, da II divisão, e vivia na Casa do Gaiato de Loures, tendo assinado pelo clube treinador por Alex Fergusson por cinco épocas.

O Vitória de Guimarães anunciou a sua contratação a 24 de Junho, ou seja, o avançado (1,90 metros) esteve em Guimarães menos de dois meses e nunca jogou qualquer partida oficial pelos minhotos, tendo marcado cinco golos na pré-temporada.

O jogador ainda esteve hoje de manhã em Guimarães, tendo-se despedido de colegas e treinadores, mas já viajou para Inglaterra, onde vai cumprir exames médicos.

O dirigente não quis falar em valores, mas reconheceu que “foi a maior transferência da vida do clube”, sendo que a generalidade da imprensa diz que os ingleses pagaram a cláusula de rescisão cifrada em 9 milhões de euros.

O presidente da direcção vitoriana disse ainda que o encaixe financeiro “vai permitir resolver alguns problemas de tesouraria” e ajudar a reduzir o passivo do clube, assim como atacar os últimos dias de mercado com outros argumentos.

Nessa linha, admitiu o interesse no médio ofensivo brasileiro Marcelo Toscano, há muito falado como possível reforço do Vitória de Guimarães.

Sobre eventuais empréstimos de jogadores do Manchester ao Vitória, Macedo da Silva frisou que “as relações [entre os dois clubes] ficaram mais fortes e com certeza que futuramente pode vir a facilitar o empréstimo de um ou outro jogador”, afirmou.

SAPO

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.