Uma patrulha de manutenção da paz foi atacada na província do Kivu Norte, a cerca de 20 quilómetros de Beni, no leste do país, disse à agência francesa France-Presse (AFP) Sy Koumbo, responsável de comunicação da Missão das Nações Unidas na RDCongo (Monusco), em Beni.

"Um ‘capacete azul’ morreu e outro está ferido, mas não gravemente. Está num estado estável", disse a representante da Monusco.

A chefe de Monusco e representante do secretário-geral da ONU, Leïla Zerrougui, condenou "o ataque perpetrado por alegados elementos das ADF", "no qual foi morto um soldado de manutenção da paz indonésio e outro ferido".

A vítima "participava na construção de uma ponte na zona de Hululu", acrescentou Zerrougui numa declaração.

As ADF são acusadas de terem massacrado mais de 500 civis desde novembro de 2019 em resposta a operações do exército congolês contra as suas bases na floresta e na selva em redor de Beni.

Em dezembro de 2017, 15 militares de manutenção da paz tanzanianos foram mortos pelas ADF num ataque à sua base em Semuliki, perto do Uganda. Um ano mais tarde, mais sete elementos das forças de manutenção da paz foram mortos numa emboscada efetuada por este grupo armado.

As ADF eram originalmente compostas por rebeldes muçulmanos ugandeses que se retiraram para o leste da RDCongo em 1995.

Há anos que não atacam as fronteiras do vizinho Uganda, tendo-se enraizado na região de Beni, vivendo do tráfico.

A sua filiação com os ‘jihadistas’ do Estado Islâmico, que reivindicam alguns dos seus ataques, nunca foi provada.

"Na minha opinião, as ADF fazem agora parte de uma rede que começa na Líbia, vai para o Sahel, vai para a região do Lago Chade, que está presente em Moçambique", disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, após uma visita a Beni em setembro passado.

"Não sei se existe uma ligação formal" com o Estado Islâmico, reconheceu Guterres, numa entrevista à Radio France Internationale (RFI), acrescentando: “Mas é óbvio que existem ligações reais, porque há recrutamentos a serem feitos noutros países”.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.