“Já aqui não vinha há nove anos”, disse Ian Martin à chegada a Díli, onde em 1999 liderou a Missão das Nações Unidas em Timor-Leste (UNAMET), que supervisionou o referendo de 30 de agosto.

“Estou muito contente de estar aqui, estou muito satisfeito de poder rever Díli e outros pontos do país”, disse Martin que, em 2006, foi nomeado enviado especial para Timor-Leste, quando o país enfrentou a sua maior crise desde a independência.

Questionado pela Lusa sobre o facto de poder ter o referendo no seu currículo, Martin recordou o papel de toda a equipa das Nações Unidas.

“Foi um esforço coletivo das Nações Unidas, com funcionários internacionais e timorenses que ajudaram a que ocorresse” o referendo, disse.

Ian Martin tem previstas visitas a vários pontos e encontros com os principais responsáveis do país, não tendo ainda sido divulgada até ao momento a sua agenda.

À chegada foi recebido pelo responsável máximo da ONU em Díli, Roy Trivedy, e por elementos do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.