“É fonte de orgulho que todos os líderes do Tehreek-e-Taliban Pakistan (TTP) morreram como mártires, assassinados pelos infiéis”, disse o porta-voz dos rebeldes, Mohammad Khurasani, referindo-se aos dois antecessores de Maulana Fazlullah, também mortos por tiros de drones americanos.

Khurasani revelou ainda que o conselho que lidera o TTP nomeou o mufti Noor Wali Mehsud para substituir Fazlullah.

O TTP não tinha até agora confirmado a morte de Fazlullah, anunciada pelo governo do Afeganistão na semana passada. Khurasani disse que a morte do líder do grupo foi uma “honra”.

Fazlullah era apontado como o responsável pela ordem para assassinar Malala Yousafzai, em 2012, símbolo da luta pelos direitos das mulheres e Prémio Nobel da Paz.

O Tehreek-e-Taliban Pakistan também reivindicou a responsabilidade pelo massacre de mais de 150 pessoas em 2014, numa escola na cidade de Peshawar, no noroeste do Paquistão.

A morte de Fazlullah foi descrita pelo exército paquistânes como “um alívio para as famílias vítimas do terrorismo TTP. Também o presidente afegão, Ashraf Ghani, comemorou a morte de Maulana Fazlullah, resultado, segundo ele, da “busca incansável para obter informações pelos serviços de segurança”.

O Exército americano efetuou em 14 de junho um ataque aéreo na província de Kunar, perto da fronteira entre Afeganistão e Paquistão.

Na altura, um responsável militar americano confirmou que o ataque tinha como alvo Fazlullah, mas não confirmou a sua morte.

O Departamento de Estado americano anunciou em março uma recompensa de cinco milhões de dólares para ajudar a localizar o comandante talibã, suspeito ainda de ligações à tentativa de atentado com um carro-bomba em Times Square, em Nova Iorque, em 2010.

RBF // RBF

Lusa/Fim

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.