A diabetes aumenta em 26% o risco de a mulher desenvolver fibrilhação auricular, segundo um estudo publicado na edição de Outubro da revista médica Diabetes Care.

A fibrilhação auricular é o tipo mais comum de distúrbio no ritmo cardíaco, que pode levar ao derrame, insuficiência cardíaca e fadiga crónica.

De acordo com os autores, «homens com diabetes também têm maior risco, mas a associação entre as duas condições não é tão forte», com a obesidade e a hipertensão arterial a serem factores de risco mais relevantes para a diabetes.

Com o estudo de cerca de 35 mil pacientes – entre diabéticos e não-diabéticos – acompanhados durante sete anos, os investigadores concluíram que essa conexão entre duas grandes «epidemias» exige que os médicos prestem atenção especial às diferenças entre os sexos, porque elas podem ter «significativas implicações em como tratar a diabetes em homens e mulheres».

SAPO

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.