O compromisso foi expresso pelos Presidentes do Uganda, Yoweri Museveni, e do Ruanda, Paul Kagamé, em conferência de imprensa, após a assinatura do acordo alcançado com o apoio dos Presidentes de Angola, João Lourenço, e da República Democrática do Congo (RDCongo), Félix Tshissekedi.

Yoweri Museveni agradeceu a intervenção de Angola e da RDCongo, salientando que o diálogo com o seu homólogo do Ruanda já vem sendo feito, através dos seus próprios canais, e que o acordo representa apenas "um reforço".

"Os princípios não são novos, são os da União Africana, pois somos uma família e vivemos sempre desta maneira, como família", disse o chefe de Estado do Uganda.

Por sua vez, Paul Kagamé agradeceu igualmente o esforço e colaboração de Angola e da RDCongo, "pelo trabalho, bem como pelo aconselhamento sábio, que colocaram ao serviço deste processo".

"Tivemos a oportunidade de forma extensiva e abrangente discutir muitas questões da maneira que entendíamos que estava na base deste problema e daí resultou no comunicado e Memorando de Entendimento que celebramos hoje, que traçam o caminho a seguir, à medida que vamos continuar a tentar resolver tais problemas", disse.

Segundo Paul Kagamé, o Ruanda compromete-se a implementar o acordo, garantindo que ambos os Presidentes não irão "claudicar em respeitar àquilo que está plasmado no comunicado".

O chefe de Estado ruandês acrescentou que ambos também não vão querer “desrespeitar os líderes e irmãos” que os puseram “à mesma mesa para alcançar este entendimento”.

“Não julgo que seja bastante difícil esbater alguns dos problemas que nós temos", frisou.

As relações entre Uganda e Ruanda deterioraram-se nos últimos meses, ao ponto de fazer com que ex-aliados se acusassem de espionagem, assassinato político e interferência nos assuntos internos.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.