Discursando na capital do Zimbabué, onde foi assistir ao funeral do ex-presidente zimbabueano Robert Mugabe, Ramaphosa foi vaiado pela multidão que assistia às cerimónias fúnebres num estádio.

“Apresento-me perante vós como um irmão africano que lamenta e pede desculpas pelo que aconteceu no meu país”, disse Cyril Ramaphosa, acrescentando que os tumultos vão “contra o princípio de unidade do povo africano”.

O presidente sul-africano garantiu que continua a trabalhar para “encorajar o povo a acolher todos os cidadãos dos países africanos”.

“Os sul-africanos não são xenófobos, não têm nada contra os cidadãos de outros países”, declarou.

Milhões de zimbabueanos fugiram da repressão e da crise económica e procuraram refúgio na África do Sul, onde, no início do mês, se verificou uma onda de tumultos e pilhagens dirigidas contra estrangeiros e suas empresas.

Concentrada principalmente na maior cidade sul-africana, Joanesburgo, a violência fez 12 mortos, todos sul-africanos.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.