Na sua comunicação à Nação, o Presidente santomense, Evaristo de Carvalho, afirmou que é necessário preservar os órgãos de Estado, referência a disfunções que houve entre a Polícia Judiciária e o ministério pública, na prisão de 2 ex-ministros.

Os ex-ministros das Finanças, Américo Ramos e das Obras públicas, Carlos Vila Nova, são suspeitos de corrupção e enriquecimento pessoal.

A PJ, argumentou ter tido ordens superiores para prender os dois ex-ministros, sem conhecimento do ministério Público.

Assim, o chefe de Estado santomense, declarou que o país vive uma presença clara e premeditada de tentativa de subversão da ordem constitucional.

“A usurpação das competências exclusivas do ministério público pela Polícia Judiciária, supostamente em obediência a ordens superiores, para deter cidadãos, violando o princípio sacrossanto do Estado de direito que é o ministério público.”

De S. Tomé e Príncipe, o nosso correspondente, Maximino Carlos.


Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.