“O Conselho dos Direitos Humanos da ONU que inclui a Venezuela, e recentemente Cuba e China, sempre foi e continua a ser um refúgio para os ditadores e para as democracias que os toleram”, afirmou o secretário de Estado norte-americano.

“A decisão do conselho de votar ontem uma resolução centrada na polícia e no racismo nos Estados Unidos leva-o a um nível mais baixo”, adiantou.

O Conselho dos Direitos Humanos, instância da ONU sediada em Genebra e da qual Washington se retirou em 2018, aprovou unanimemente na sexta-feira uma resolução condenando o racismo sistémico e a violência policial, após ter retirado uma menção específica aos Estados Unidos.

A resolução foi apresentada por países africanos no quadro de uma reunião urgente convocada após a morte de George Floyd, um afro-americano de 46 anos, depois de um polícia branco lhe ter pressionado o pescoço com um joelho durante cerca de oito minutos, numa operação de detenção, apesar de Floyd dizer que não conseguia respirar.

Desde então têm sido organizadas em todo o mundo manifestações contra o racismo.

Nos Estados Unidos, alguns dos protestos contra a violência policial e o racismo foram acompanhados de atos de pilhagem.

Na sua versão inicial, exigia a criação de uma comissão de inquérito internacional independente para esclarecer a questão do “racismo sistémico” nos Estados Unidos. Este tipo de comissão é habitualmente criado em situações de grande crise, como o conflito sírio.

Mas o texto foi progressivamente suavizado e deixou de nomear os Estados Unidos na sua última versão, desencadeando a ira das organizações não-governamentais.

A resolução pede à Alta Comissária para os Direitos Humanos das Nações Unidas, Michelle Bachelet, para “preparar um relatório sobre o racismo sistémico, as violações da lei internacional sobre os direitos humanos e os maus tratos contra os africanas e as pessoas de origem africana pelas forças de segurança”.

“O atual discurso cívico acerca da trágica morte de George Floyd nos Estados Unidos é um sinal da força e maturidade da nossa democracia”, defendeu Mike Pompeo.

“Se o conselho quisesse seriamente proteger os direitos humanos muitas questões mereceriam a sua atenção, como as desigualdades raciais sistémicas em locais como Cuba, China e Irão”, adiantou.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.