"Apoiamos esta importante decisão, que as Ilhas Salomão tomaram por si, como um Estado soberano independente", lê-se no comunicado da porta-voz da diplomacia chinesa, Hua Chunying.

Segundo a agência noticiosa oficial de Taiwan CNA, 27 dos 33 deputados da coligação maioritária de quatro partidos no Parlamento de Salomão - que tem 50 cadeiras - votaram a favor de passar a reconhecer Pequim como o Governo legítimo de toda a China, em detrimento de Taipé, enquanto os restantes seis se abstiveram.

A decisão foi posteriormente aprovada pelo governo do primeiro-ministro, Manasseh Sogavare, que assumiu o cargo após eleições em abril.

"A decisão do Governo das Ilhas Salomão de reconhecer o princípio 'uma só China' e estabelecer laços diplomáticos com a China atesta que este princípio atende ao desejo dos cidadãos e constitui uma tendência irresistível desta era", defendeu o Governo chinês.

Hua enfatizou que "existe apenas uma China no mundo" e que "o governo da República Popular da China é o único governo legítimo que representa toda a China", sendo Taiwan "parte inalienável do território chinês".

Taiwan, a ilha onde se refugiou o antigo governo chinês depois de o Partido Comunista tomar o poder no continente, em 1949, assume-se como República da China, e funciona como uma entidade política soberana.

Desde que Tsai Ing-wen, do Partido Progressivo Democrático (PPD), pró-independência, foi eleita Presidente, em 2016, seis países, incluído São Tomé e Príncipe, cortaram relações diplomáticas com Taipé, que tem agora apenas 16 aliados diplomáticos.

A presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen, acusou Pequim de "causar instabilidade na sociedade internacional" e praticar "diplomacia do dólar", com "promessas de cheques chorudos", que "muitas vezes não são cumpridas".

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.