Ludmilo Veloso diz que lamenta o tempo perdido ao serviço da IURD, cerca de 20 anos.

Ele não afasta a hipótese de processar a denominação brasileira.

A sua prisão, diz o ex-pastor, foi orquestrada pelos responsáveis da IURD na Costa do Marfim com o objectivo de assassiná-lo.

“O propósito era que eu fosse morto na cadeia”, garante Veloso que desmente a acusação, segundo a qual teria denegrido a imagem da IURD, nas redes sociais, o que esteve na origem da sua prisão decretada pelo tribunal de Abidjan.

Acompanhe:

Ludumilo Veloso esteve 45 dias preso na Costa do Marfim.

O caso gerou uma onda de revolta em São Tomé e Príncipe tendo culminado com uma manifestação popular e a destruição de todos os templos da IURD no país.

Durante os protestos, um adolescente perdeu a vida ao ser atingido por uma bala da polícia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.