Os dois projectos de resolução foram aprovados com 28 votos a favor do Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social Democrata (MLSTP-PSD) e da coligação PCD-UDD-MDFM - forças que suportam o novo Governo do país - e 19 contra, sendo 17 da Ação Democrática Independente (ADI) - partido que até às eleições de Outubro liderou o Governo - e dois do Movimento Caué. Sete deputados do ADI estavam ausentes da sessão parlamentar de hoje.

Em 04 maio, o parlamento são-tomense aprovou com 31 votos a favor e seis contra um projecto de resolução que "exonera e aposenta compulsivamente" três juízes, incluindo o presidente, do Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

Os juízes em causa são Silva Cravid, presidente do STJ, e os juízes conselheiros Frederico da Gloria e Alice Vera Cruz, todos que decidiram em acórdão sobre a devolução da Cervejeira Rosema ao empresário angolano Mello Xavier.

Poucos dias depois, um quarto juiz, Silvestre Leite, foi igualmente exonerado e reformado por se solidarizar com os seus colegas.

A resolução parlamentar hoje aprovada considera a anterior, sobre as exonerações, de "ilegal e inconstitucional" e por isso obriga a que os juízes conselheiros Roberto Raposo, Eurídice Fernandes Pina Dias, Frederico Samba e Leopoldo Machado Marques, nomeados pelo anterior parlamento, "cessem" as funções, de juízes conselheiros do STJ.

O documento "reintegra imediatamente no pleno exercício das suas anteriores funções, usufruindo de todos os direitos e regalias inerentes ao exercício dessas funções, incluindo todas aquelas regalias que deixaram de receber", todos os juízes conselheiros anteriormente exonerados.

"São retirados todos os direitos e regalias inerentes as funções que ocupam excecionalmente no STJ, devendo entregar imediatamente à direcção administrativa e financeira dos tribunais, as chaves dos gabinetes que ocupavam, as chaves das viaturas de serviço postos ao seu uso e todos os outros bens do estado a disposição dos mesmos", refere ainda a resolução hoje aprovada.

A resolução que "entra imediatamente em vigor" surge da petição de um grupo de cinco deputados do MLSTP e da coligação PCD-UDD-MDFM.

A segunda resolução hoje aprovada revoga a que nomeou os cinco conselheiros do TC, designadamente José da Vera Cruz Bandeira, Carlos Olímpio Stock, Kótia Solange Menezes, Fábio sardinha Espírito Santo e Jonas Gentil de Ceita.

A todos esses foram igualmente retirados os direitos e regalias inerentes às funções que ocupam.

A resolução orienta ainda a Assembleia Nacional para, num prazo de 30 dias, eleger novos juízes conselheiros para o TC, tomando em consideração "a proporcionalidade da representação parlamentar".

O presidente da Assembleia Nacional, Delfim Neves orientou os partidos com representação parlamentar para enviar as suas candidaturas a partir desta segunda-feira.

O debate parlamentar para a aprovação das duas resoluções foi marcado por confronto verbal e acusações pessoais entre deputados da maioria e da oposição.

O líder da bancada do ADI, Abenildo de Oliveira defendeu que "o órgão Tribunal não pode ficar ao sabor de uma maioria que esteja a governar o país".

Acusou o MLSTP-PSD, que regressou ao poder em São Tomé e Príncipe, de "violar" a promessa eleitoral do seu líder, Jorge Bom Jesus, segundo a qual a luta contra a corrupção seria uma das bandeiras do seu governo.

Já o MLSTP-PSD defendeu que estar a fazer a "reposição da justiça e da legalidade". O deputado do MLSTP António Quintas acusou mesmo a bancada do ADI de "induzir consciente e dolosamente a Assembleia nacional, o mais alto órgão legislativo do país a cometer duas graves violações".

"A primeira foi ter usurpado o poder disciplinar sobre os juízes, competência legal exclusivamente atribuída ao Conselho Superior de Magistratura Judicial, enquanto um dos órgãos indispensáveis à garantia da independência dos juízes e dos tribunais", disse António Quintas.

"Segundo, negou aos juízes visados o direito de defesa, baseando a sua pesada decisão sancionatório de exoneração e aposentação compulsiva no mero fato de saber-se que a instituição Supremo Tribunal de Justiça vem dando mostras de exercer funções políticas e não judiciais, muitas delas ao arrepio das leis, criando um direccionamento institucional e uma ameaça para a garantia dos direitos e liberdades no nosso país", concluiu.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.