Em declarações à Lusa, o chefe do departamento de intercâmbio da JEA, Bartolomeu Milton, destacou que a bióloga "transformou a sua vocação numa paixão" e demonstrou sempre grande interesse pelas questões ambientais, tendo inclusivamente pertencido à própria organização e participado nas Olimpíadas do Ambiente, um projecto que a JEA leva a cabo desde 1996.

Uma paixão que, aliada ao seu percurso, permite ao responsável da JEA afirmar que Adjany Costa "é uma aposta que se justifica face ao contributo que tem dado" ao ambiente.

A bióloga e exploradora angolana foi uma das vencedoras, em 2019, do prémio Jovens Campeões da Terra, concedido pelas Nações Unidas a ambientalistas entre 18 e 30 anos de idade, pelo seu empenho na protecção do meio ambiente.

Participou também numa expedição científica ao longo da bacia do Okavango, explorando, durante quatro meses, um percurso de cerca de 2.500 quilómetros que passou por Angola e Namíbia até ao Botsuana, da qual resultou o documentário "Into the Okavango", do cineasta da National Geographic Society Neil Gelinas.

O responsável da JEA salientou, por outro lado, que a nova governante precisará de "tempo e oportunidade para aplicar as grandes ideias que tem e as reformas necessárias", sobretudo tendo em conta a "inexperiência no mundo político".

"Vamos esperar para ver e vamos apoiar em tudo o que for necessário", garantiu.

Quanto à junção de vários pelouros considerou que o Turismo pode ser considerado como "a outra face da mesma moeda", enquanto a Cultura é um sector totalmente distinto.

"Acabará por ter um desafio maior do que os seus antecessores", notou Bartolomeu Milton, acreditando que Adjany Costa "vai fazer valer a sua vontade. conhecimento e desenvoltura" para levar a tarefa a bom porto.

"É importante que adopte uma estratégia e visão política de governação para alavancar muito do que é preciso fazer", sublinhou o dirigente da JEA.

Entre as prioridades, destacou a formulação de políticas adequadas à preservação dos ecossistemas, a adopção de tecnologias limpas e a melhoria da gestão dos impactos negativos dos projectos de obras públicas e da exploração dos recursos naturais.

Adjany Costa, de 30 anos, é uma das novas caras da mais recente remodelação governamental feita pelo Presidente de Angola, João Lourenço, que diminuiu de 28 para 21 o número de ministérios.

Da longa lista de exonerações divulgada, na segunda-feira, pela Casa Civil de João Lourenço constam 17 ministros e 24 secretários de Estado, bem como o secretário do Presidente da República para os Assuntos Políticos, Constitucionais e Parlamentares e o director do Gabinete de Acção Psicológica e informação da Casa de Segurança do Presidente da República.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.