Segundo o noticiado ontem pelo diário The Namibian, as embarcações e as tripulações foram intercetadas na quinta-feira e escoltadas até ao porto da baía de Walvis no dia seguinte.

A Marinha, a polícia e as autoridades marítimas e pesqueiras analisaram então as embarcações com vista a descobrir a possibilidade de atividades ilegais, como pesca ou outras operações.

O porta-voz do Ministério da Defesa da Namíbia Petrus Shilumbu afirmou que seis embarcações entraram em águas namibianas na segunda-feira passada, tendo entrado pelo espaço marítimo angolano. Segundo a mesma fonte, as autoridades da Namíbia tiveram conhecimento, na quarta-feira, de que estas tinham ancorado junto da baía de Henties.

“Entraram na Namíbia ilegalmente porque nunca pediram, ou receberam, autorização. Também não indicaram qual era o seu propósito em águas namibianas. Preocupa-nos que tenham vindo aqui sem autorização e estejam calados sobre isso”, afirmou Petrus Shilumbu, citado pelo The Namibian.

Segundo o diário, as autoridades acreditam que as embarcações tenham estado a pescar em Angola entre março de 2018 e março de 2019, até as suas licenças terem expirado, tendo então navegado até à Guiné Equatorial, onde também terão sido proibidas devido à falta de licença.

“Não estamos certos do que aconteceu depois disso, mas a questão é o que é que têm feito em águas namibianas desde março de 2019 se não tinham licença de pesca?”, questionou o porta-voz.

A embaixada Chinesa na Namíbia emitiu um comunicado no sábado em que refere que os navios saíram da Guiné Equatorial para a China em 15 de março, mas que foram afetados por correntes marítimas.

“A embaixada notou algumas alegações nas redes sociais de que as embarcações pesqueiras chinesas estavam a roubar peixe das águas namibianas. Afirmamos solenemente que estas embarcações estavam a executar uma navegação inocente nas águas namibianas sem quaisquer atos ilegais, como pesca furtiva”, refere o comunicado.

A representação diplomática chinesa na Namíbia acrescentou que, de acordo com a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, embarcações marítimas estrangeiras têm o direito a atravessar as áreas marítimas de outros países devido à liberdade de navegação.

Segundo fontes governamentais citadas pelo The Namibian, não foram detetados quaisquer indícios de atividades ilegais e as embarcações deverão ser libertadas nos próximos dias.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.