Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas no final de uma visita à Igreja de Nossa Senhora do Rosário, na Cidade Velha, em Cabo Verde.

Questionado sobre a principal mensagem que leva para a visita a Angola, o chefe de Estado disse que é “consolidar este novo ciclo a todos os níveis, económicos, financeiros, sociais, culturais, educativos e políticos, com um trabalho em tempo recorde, isto é, cerca de seis meses, em todos os domínios”.

“Trabalho na assinatura do que no final serão cerca de 50 acordos, começo e execução desses acordos, resultados efetivos em termos financeiros para os empresários portugueses e angolanos e, depois, uma cooperação em formação dos professores, em matéria de saúde, em domínios que vão desde administração interna à justiça, um pouco de tudo”, acrescentou.

Para o chefe de Estado português, trata-se de “um novo ciclo que corresponde, aliás, a um novo ciclo da vida política angolana e do relacionamento com Portugal”.

Marcelo Rebelo de Sousa chegou a Cabo Verde no domingo à noite e partirá hoje à tarde para São Tomé, em escalas na viagem para Angola.

O Presidente português chegará a Luanda na terça-feira, para estar presente no aniversário do chefe de Estado angolano, que completa 65 anos, mas oficialmente a sua visita só começa no dia seguinte, o mais importante em termos de contactos políticos.

Além de Luanda, Marcelo Rebelo de Sousa passará ainda pelas províncias de Benguela e Huíla.

A visita terminará no sábado, 09 de março, data em que completa três anos de mandato.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.