Numa intervenção durante um jantar oficial oferecido por João Lourenço, no palácio presidencial, em Luanda, no primeiro dia da sua visita de Estado a Angola, Marcelo Rebelo de Sousa saudou-o como "o vulto cimeiro de um novo tempo angolano".

"Vossa excelência protagoniza-o com um projeto de paz, de democracia, de regeneração financeira, de desenvolvimento económico, de combate à corrupção, de afirmação regional e mundial. Nós, portugueses, seguimos com empenho essa aposta de modernização, de transparência, de abertura, de inovação, de acrescida ambição", afirmou.

Segundo o Presidente português, João Lourenço protagoniza "um novo tempo angolano, na lúcida, consistente e corajosa determinação de aproveitar do passado o que se mantém vivo, mas, sobretudo, entender o que importa renovar para tornar o futuro mais possível, mais ambicioso e mais feliz para todos os angolanos".

Da parte de Portugal, Angola conta com "o empenho de centenas de milhares que querem contribuir para a riqueza e a justiça social" com o seu trabalho, bem como "das empresas, a começar nas mais modestas, no investimento e no reforço do tecido socioeconómico angolano" e também com "o empenho das instituições públicas portuguesas, do Estado às autarquias locais".

"Podem contar connosco na vossa missão renovadora e recriadora. Portugal estará sempre e cada vez mais ao lado de Angola", acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa.

Portugal, por sua vez, conta com a "incansável solidariedade" de Angola. "Contamos com os vossos trabalhadores, as vossas empresas, as vossas instituições públicas, a vossa convergência nos domínios bilateral e multilateral. Temos a certeza de que Angola estará sempre e cada vez mais ao lado de Portugal", prosseguiu.

De acordo com o Presidente português, este "novo momento na vida de Angola" coincide com "um novo ciclo" nas relações bilaterais. "E nada nem ninguém nos separará, porque os nossos povos já estabeleceram o seu e o nosso caminho", considerou.

"Porque estamos mesmo juntos, na parceria estratégica, na cooperação económica, financeira, educativa, científica, cultural, social e política. Porque no essencial vemos o mundo e a nossa pertença global e regional do mesmo modo, a pensar na paz, nos direitos humanos, na democracia, no direito internacional, no desenvolvimento sustentável, na correção das desigualdades", argumentou.

No final da sua intervenção, de cerca de sete minutos, Marcelo Rebelo de Sousa disse que "a história faz-se e refaz-se todos os dias e nuns dias mais do que noutros", acrescentando: "Estes que vivemos são desses dias".

Evocando os portugueses residentes em Angola e os angolanos que emigraram para Portugal, que, disse, amam os dois países, o chefe de Estado português defendeu que os responsáveis políticos não têm "o direito de desperdiçar esta oportunidade única".

No final, propôs um brinde à saúde e felicidade do Presidente João Lourenço e da sua mulher, Ana Dias Lourenço, e de todo o povo angolano e à fraternidade entre os dois países.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.