Dos artefactos constam 216 engenhos diversos, oito minas anti-tanques, duas anti-pessoais e 750 munições de diversos calibres.

Em declarações à imprensa, o chefe do departamento provincial do Instituto Nacional de Desminagem (INAD) no Bengo, Anacleto Pedro Manuel, explicou que os engenhos foram desactivados este ano, em actividades pontuais em várias localidades fruto das informações recebidas das populações.

As actividades de limpeza e desminagem desenvolvido pelos sapadores na província do Bengo permitiu a livre circulação de pessoas e bens, a reconstrução de várias infra-estruturas, habitações, bem como o desenvolvimento da actividade agrícola.

Para este ano, o INAD no Bengo prevê desminar 50 hectares na localidade do Lembeca, na comuna das Mabubas (Dande), onde será construída infra-estruturas habitacionais.

O director-geral adjunto do Instituto Nacional de Desminagem (INAD), Loneque Augusto Diu, afirmou que vários projectos ligados a desminagem estão em curso no país, para construção de infra-estruturas de grande dimensão, particularmente em Cabinda.

O oficial de ligação da Comissão Nacional Intersectorial de Desminagem e Assistência Humanitária (CNIDAH), no Bengo, Florentino Kileba, adiantou que a província tem 56 contaminadas e 97 áreas canceladas por desminar devido as dificuldades financeiras.

No município do Dande estão identificadas 31 áreas contaminadas com minas, Dembos (13), Nambuangongo (08), Ambriz (03) e Bula Atumba (01).

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.