“Isto resulta de uma gestão fraudulenta e os angolanos não podem defender em solidariedade esta angolana diante deste movimento externo, na medida em que a acção em causa prejudicou o povo e favoreceu uma única familia,” diz Manuel Fernandes, deputado da CASA-CE.

Para Fernandes, “ao se confirmar a ilicitude, estes países devem colaborar com Angola (…) para esses activos financeiros retornarem para os cofres do Estado”.

Mas não basta garantir o retorno do dinheiro, opina Raúl Danda, daUNITA. “Como serão empregues estes valores?”, questiona.

Danda justifica o seu questionamento pelo facto de considerar Angola “um país onde a transparência demora a chegar e onde continuamos a ter um presidente da República que manda em tudo, o parlamento não tem poder nenhum, a justiça não tem poder nenhum”.

Sapalo António, membro do PRS, diz que “neste caso de Isabel dos Santos e do seu marido, usaram o dinheiro que não lhes pertence, mas quem facilitou este processo todo foi o MPLA”-

“Nós os angolanos podemos considerar este acto de escandaloso, mas para o MPLA não (é),porque isto resultou de uma acção premeditada do MPLA no exercício de suas funções,” diz António.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.