Mohammad Zarif disse que Donald Trump está a ser mal aconselhado, quando o convencem de que o aumento de sanções económicas sobre o Irão levará ao derrube do regime, criticando o líder norte-americano por não aceitar a mediação para o conflito entre os dois países.

“O Presidente Trump está convencido de que estamos prestes a entrar em colapso, para não ter de entrar em negociações com um Governo em colapso”, explicou Zarif, dirigindo-se a um grupo de diplomatas da área da Defesa, na Conferência de Segurança que decorre em Munique.

Zarif citou a decisão de Trump de retirar os Estados Unidos da América (EUA), unilateralmente, do acordo nuclear com o Irão, em 2018, para justificar o seu argumento de que o Presidente norte-americano está a cometer sucessivos erros ao lidar com o seu país.

Após a saída do acordo, Trump decretou sucessivas vagas de sanções económicas, afetando severamente a economia iraniana, em particular quando as sanções se centraram no setor energético, principal fonte de receitas do regime de Teerão.

“Acredito que o Presidente Trump, infelizmente, não está a ser bem aconselhado”, disse Zarif, dizendo que o objetivo do Governo norte-americano é derrubar o regime iraniano, desde que abandonou o acordo nuclear.

Zarif disse ainda que o assassinato do general iraniano Qassem Soleimani, vítima de um ataque aéreo norte-americano em Bagdade, em 03 de janeiro, foi “um erro de cálculo” por parte de Washington, que teve como efeito imediato galvanizar o apoio ao Governo de Teerão, por parte da população.

Durante a Conferência de Segurança, em Munique, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, prometeu que falará com os aliados europeus sobre o acordo nuclear com o Irão, deixando a entender de que exercerá pressão para que acompanhem a decisão dos EUA de o abandonar.

Além dos EUA, são signatários do acordo a Alemanha, a França, o Reino Unido, a Rússia e a China.

“Todos percebemos que o Irão continua a desenvolver o seu programa nuclear”, disse hoje Mike Pompeo, para justificar o abandono do acordo, considerando que o Irão não estava a cumprir os seus requisitos e reiterando o pedido feito por Trump para que os países signatários concordem em desenhar um novo tratado com Teerão.

Mas Zarif voltou hoje a rejeitar a possibilidade de um novo acordo nuclear, dizendo que aquele que foi negociado durante o mandato do Presidente norte-americano Barack Obama, em 2015, é o único aceitável.

Nos últimos meses, o Governo iraniano anunciou que, como forma de retaliação contra as sanções norte-americanas, iria aumentar a produção de urânio enriquecido, no âmbito do programa nuclear que tinha prometido abandonar.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.