A professora reagia assim às declarações do primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, que, no sábado, disse que tal não correspondia à verdade e acusou a investigador de “falta de patriotismo”.

Isabel de Santiago lamenta que as autoridades tenham posto em causa a credibilidade do seu estudo e de “pretenderem esconder uma realidade que está à vista de todos”, em vez de “analisarem os dados e tomarem as medidas necessárias”.

Por seu lado, o primeiro-ministro rejeita liminarmente o resultado do estudo  e considera ser preciso averiguar as informações produzidas que levaram alguns órgãos da imprensa portuguesa a concluírem que as crianças são-tomenses bebem mais álcool do que o leite.

“Concluir que as crianças em São Tomé e Príncipe bebem mais álcool que o leite é uma caricatura”, disse o Chefe do Governo.

Também a directora do Instituto Nacional de Estatística de São Tomé e Príncipe (INE), Elsa Cardoso, veio a público desvalorizar o estudo da investigadora da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, encomendado em 2013 pelo então ministro da Educação e actual primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus.

Cardoso diz ter outros dados sobre o consumo do álcool nas crianças são-tomenses, contrários aos de Isabel Santiago.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.