“É uma coisa que me é comum com o Presidente João Lourenço, que […] está num combate sério à corrupção. Eu estou mais do que num combate feroz contra a corrupção”, diz José Mário Vaz, em entrevista à agência Lusa em Lisboa.

Referindo que na Guiné-Bissau se diz “dinheiro do Estado no cofre do Estado” em vez de corrupção, o Presidente admite que se trata de “uma luta bastante difícil”, mas que “vale a pena esse combate”.

“Quando olharmos para trás, vamos dizer que valeu a pena a nossa passagem nesta cadeira porque a nossa passagem permitiu o desenvolvimento do país e permitiu o bem-estar do nosso povo”, refere.

Questionado sobre as relações com Angola, José Mário Vaz diz que se trata de “um país irmão” e que “por isso não há razão nenhuma para que não haja boas relações”.

As relações entre os dois países foram afetadas pela crise de 2012, após o golpe de Estado na Guiné-Bissau. Angola enviou militares para o país, mas a intervenção foi contestada e o Governo angolano acabou por retirar aquela força.

Sobre o papel da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Guiné-Bissau, tendo em conta a influência da Comunidade dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), o Presidente considera que as duas organizações “são importantes” para o país.

No entanto, reconhece que a CEDEAO tem uma “presença forte” e que a sua força militar (Ecomib) “contribuiu para a paz e para a estabilidade na Guiné-Bissau”.

Referindo que o lugar da CPLP na Guiné-Bissau “é intocável” porque é “a grande família”, sobretudo por causa da língua, José Mário Vaz defende, contudo, que a organização lusófona tem de ser mais “a CPLP dos povos e da economia”.

Sobre o papel de Portugal, o chefe de Estado defende que “pode fazer muito mais” pela Guiné-Bissau e que pode “ter muita contrapartida” se o fizer.

O Presidente diz que “gostaria de ter mais empresários” portugueses na Guiné-Bissau e defende que Portugal poderá também contribuir mais para a formação de quadros e formação profissional, embora admita que o acesso às universidades portuguesas está mais facilitado.

Recordando que fez o seu percurso escolar em Portugal, onde tem “muitos amigos”, o Presidente guineense acusou “algumas pessoas”, sem especificar, de terem exercido influência sobre as autoridades portuguesas para prejudicar a cooperação entre os dois países.

“Ninguém pode defender mais interesses de Portugal mais do que eu”, conclui.

VM // PJA

Lusa/Fim

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.