O aprofundamento da guerra fria entre os EUA e a China será uma preocupação maior para o mundo do que o coronavírus, segundo o influente economista Jeffrey Sachs.

O mundo está caminhando para um período de “grande ruptura sem nenhuma liderança” após a pandemia, disse ele à BBC.

A divisão entre as duas superpotências vai exacerbar isso, alertou.

O professor da Universidade de Columbia culpou o governo dos EUA pelas hostilidades entre os dois países.

“Os EUA são uma força de divisão, não de cooperação”, afirmou à BBC.

“É uma potência que tenta criar uma nova guerra fria com a China. Se isso prosperar – se esse tipo de abordagem for usado, não voltaremos ao normal; na verdade, entraremos em uma controvérsia maior e em um maior perigo de fato.”

As tensões crescem

Os comentários de Sachs ocorrem quando as tensões entre os EUA e a China continuam a crescer em várias frentes – não apenas no comércio.

Nesta semana, o presidente Trump assinou legislação autorizando sanções dos EUA contra autoridades chinesas responsáveis ​​pela repressão aos muçulmanos na província de Xinjiang.

E, em entrevista ao Wall Street Journal, Trump disse acreditar que a China pode ter incentivado a propagação internacional do vírus como uma maneira de desestabilizar as economias concorrentes.

O governo Trump também tem como alvo empresas chinesas, em particular a gigante chinesa de telecomunicações Huawei, que Washington diz estar sendo usada para ajudar Pequim a espionar seus clientes. A China nega isso, assim como a Huawei.

Mas a posição dura do presidente Trump sobre a China e a Huawei pode ter sido parte de uma manobra política para ser reeleito – pelo menos de acordo com um novo livro do ex-conselheiro de Segurança Nacional John Bolton.

Sachs concorda que atingir a Huawei nunca foi simplesmente uma preocupação de segurança.

“Os EUA ficaram para trás em relação ao 5G, que é uma parte crítica da nova economia digital. E a Huawei estava ganhando uma participação cada vez maior dos mercados globais. Os EUA inventaram, na minha opinião, a visão de que a Huawei é uma ameaça global. E se apoiaram muito nos aliados dos EUA … para tentar romper as relações com a Huawei”, disse ele.

A tensão aumenta

Os EUA não são o único país com o qual a China está em conflito.

Nesta semana, as tensões aumentaram na fronteira Índia-China, com pelo menos 20 soldados indianos mortos em alguns dos piores casos de violência que os dois lados viram em quase cinquenta anos.

E a China tem ativamente financiado projetos econômicos no Paquistão, Mianmar, Sri Lanka e Nepal – vizinhos mais próximos da Índia. Por isso, a Índia teme que Pequim esteja tentando interromper sua influência na região.

Sachs diz que a ascensão da China é preocupante para seus vizinhos na Ásia – especialmente se ela não fizer mais para mostrar que está tentando crescer de maneira pacífica e cooperativa.

“Se eu acredito que a China poderia fazer mais para aliviar medos que são muito reais? Acredito que sim”, afirmou.

“A grande escolha, francamente, está nas mãos da China. Se a China for cooperativa, se envolver em diplomacia, cooperação regional e multilateralismo, em outras palavras, “soft power”, porque é um país muito poderoso… Daí acho que a Ásia tem uma incrível futuro brilhante.”

Mais sobre o coronavírus
créditos: BBC
Banner
créditos: BBC

  • Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=AHkst-AQSfM

https://www.youtube.com/watch?v=0Kunw1c9obs&t=374s

https://www.youtube.com/watch?v=s-59RbDMsCw&t=5s

Escrito por: Karishma Vaswani - Repórter de economia da Ásia

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Os textos do parceiro BBC News estão escritos total ou parcialmente em português do Brasil.