O tribunal militar de excepção em Guantanamo, activada pelo presidente Barack Obama, acabou de realizar o seu primeiro julgamento nesta quarta-feira, ao condenando o antigo cozinheiro de Osama bin Laden, o sudanês Ibrahim al-Qosi a 14 anos de prisão, segundo notícia da TSF.

O antigo cozinheiro de Bin Laden, preso há oito anos em Guantanamo, admitiu ter ajudado o líder da al-Qaeda a fugir das forças militares norte-americanas no Afeganistão, apesar de ter negado qualquer participação nos ataques terroristas desta organização.

Apesar de ter sido condenado a 14 anos de prisão efectiva, Ibrahim al-Qosi pode ver a sua pena reduzida graças a um acordo que continua a em segredo, mas que exclui os anos que passou na base norte-americana onde está detido.

Este acordo, que surgiu após al-Qosi se ter dado como culpado, poderá reduzir a sua pena, segundo algumas fontes, para dois anos ou então poderá tornar possível o regresso ao seu país natal, que abandonou em 1996, quando se juntou a Bin Laden no Afeganistão.

SAPO com TSF

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.