“Às 16:00 (20:00 em Lisboa) iniciaremos um diálogo para pacificar o país”, afirmou Yerko Núñez, em declarações à imprensa, acrescentando que o encontro terá lugar no Palácio Quemado, em La Paz.

“Hoje [sexta-feira] assistimos a uma total abertura por parte das organizações que se têm mobilizado. Da parte do Governo também há a intenção de dialogar e de chegar a acordos”, indicou.

A Bolívia enfrenta uma grave crise política desde as eleições presidenciais, em 20 de outubro.

Com a renúncia de Evo Morales, os seus apoiantes têm-se manifestado diariamente nas ruas de La Paz e em algumas províncias para exigir a saída da Presidente interina, Jeanine Áñez, acusada de dar luz verde a repressão policial violenta que, segundo a Defensoria do Povo, provocou pelo menos 32 mortos e 775 feridos desde 20 de outubro.

A Presidente interina da Bolívia enviou na quarta-feira um projeto de lei ao parlamento para a realização de eleições presidenciais e legislativas. A Constituição boliviana estabelece que um Presidente interino tem 90 dias para organizar uma eleição.

FST (AJO) // FST

Lusa/Fim

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.