O Ministério Público atribuiu os massacres a um divisão entre integrantes de uma facção criminosa da região, a Família do Norte (FDN).

Apontada pela Polícia Federal como a terceira maior facção do País, a organização disputa o controlo do tráfico de drogas na região amazónica.

Além da transferência de presos, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio  Moro vai enviar uma equipa de Intervenção Penitenciária para atuar dentro das unidades prisionais.

Há mais de dois anos, homens da Força Nacional atuam nos arredores dos presídios.

A medida foi tomada logo após o massacre de mais de 60 presos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em janeiro de 2017.

Entretanto, o Ministério Público do Estado do Amazonas informou ter entregue uma nota ao Governo com 27 recomendações de medidas e deu ao Executivo do Estado 72 horas para apresentar um relatório dos acontecimentos.

As recomendações têm caracter de urgência.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.