O ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiroz, disse, citado pelo Jornal de Angola, que foi elaborado "um estudo para reparar os danos sofridos pelas vítimas de repressão, pelos deficits de governação e por perseguição política, entre os quais as vítimas do '27 de Maio', dos massacres da guerrilha e outras vítimas da guerra".

O anúncio do governante peca apenas por tardio, comenta José Fragoso, também vítima da repressão: "Nós tínhamos consciência de que, tarde ou cedo, o passivo do 27 de Maio seria resolvido, ainda que não fosse na nossa vigência. Mas é bom que esse passivo seja resolvido enquanto nós, sobreviventes, ainda estamos vivos."

Monumento às vítimas do 27 de Maio

O ministro angolano da Justiça e dos Direitos Humanos já tinha reconhecido em novembro passado que, na altura, o Governo cometeu "excessos" depois dos acontecimentos do 27 de Maio de 1977, que o então Presidente Agostinho Neto classificou como tentativa de golpe de Estado.

O Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) perseguiu então apoiantes do seu ex-ministro do Interior Nito Alves, os chamados "fraccionistas", que o partido no poder acusou de estar por trás da tentativa. Estima-se que, em 1977 e nos anos seguintes, dezenas de milhares de pessoas foram torturadas e mortas sem julgamento.

A Fundação 27 de Maio reúne-se daqui a dois meses, para determinar o montante que vai pedir ao Governo em prol das vítimas do massacre de 1977. Para já, exige a construção de um monumento em homenagem aos angolanos mortos no combate ao chamado "fraccionismo" dentro do MPLA.

"Este é o ponto fundamental, a construção de um memorial, porque ninguém parte deste mundo sem deixar uma campa", afirma José Fragoso.

Comissão e reconciliação

Para além do memorial, o vice-presidente da fundação também defende a criação de uma comissão para se esclarecer o que realmente aconteceu a 27 de Maio de 1977 e nos dias seguintes.

"Nós somos defensores da criação de uma comissão idónea, composta de preferência por pessoas ligadas à Igreja, com uma idoneidade reconhecida", diz.

José Fragoso apela ao partido no poder, o MPLA, que "tenha a coragem" de se reconciliar com a sua própria história. O anúncio de que o Governo angolano está disponível para pagar indemnizações às vítimas do 27 de Maio é um bom sinal.

"Há muitos passivos… Para além do 27 de Maio, existem outros, como a sexta-feira sangrenta - uma série de atrocidades que o MPLA cometeu ao longo dos seus 44 anos de governação", conclui.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.