A França vive dias complicados com o aumento sucessivo do número de mortos e de novos casos de coronavírus.

Para tentar controlar a propagação da epidemia, as autoridades francesas pedem à população para ficar em casa, e sairem apenas para trabalhar, se é impossível trabalhar a partir de casa, para fazer compras de primeira necessidade, para ir à farmácia ou a uma consulta médica, para sair o cão, ou ainda para a prática desportiva individual.

A população na sua maioria segue as regras, outros preferem arriscar-se a infringir a lei, e outros têm, mesmo, a obrigação de ir trabalhar.

Foi sobre este último ponto que o Ministro da Economia, Bruno Le Maire, se pronunciou nesta sexta-feira 20 de Março.

Muitos empregados, com medo e apreensão do novo coronavírus, gostariam de ficar em casa e não correrem risco para a sua saúde. Ora o país precisa de continuar a funcionar sobretudo que as pessoas que estão confinadas precisam de comida, de medicamentos e de equipas médicas se o estado de saúde se deteriorar.

Para convencer as pessoas a irem trabalhar sobretudo na indústria agro-alimentar, nos supermercados e nos hospitais, a França pede às empresas privadas para oferecer uma compensação financeira aos trabalhadores, e para as empresas públicas, como os hospitais, uma ajuda global foi desbloqueada para compensar as equipas médicas.

«Todas as empresas têm acordos para darem compensações, é o caso de quase todas as grandes empresas. Elas podem dar uma compensação que não será sujeita a impostos, que não custa mais à empresa do que aquilo que vai dar, isto até 1000 euros. Sem encargos, sem custos sociais. Têm até ao 30 de Junho para o fazer. Eu incito todas as Federações, todas as grandes empresas, que têm acordos para oferecerem essas compensações, sobretudo em sectores vitais como a indústria agro-alimentar e dos supermercados a darem essa compensação aos empregados. Empregados que têm a coragem de ir trabalhar, e muitos deles vão trabalhar com medo porque acham que estão a assumir riscos. Eles estão preocupados e temos de lhes dar repostas sobre a segurança sanitária, é por consequência legítimo que possam beneficiar dessa compensação de 1000 euros sem incidência fiscal. E também prevemos para as equipas médicas, o caso foi votado ontem, 2 mil milhões de créditos orçamentais suplementares. Isso deve servir para recompensar todas as pessoas que trabalham nos hospitais e a quem devemos hoje a vida», afirmou Bruno Le Maire.

O balanço em França do coronavírus continua elevado: 10 995 casos confirmados e 372 mortes. No mundo já se ultrapassaram os 250 mil casos e mais de 10 mil pessoas morreram.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.