Fernando Pedro Gomes, presidente eleito no congresso ad hoc realizado em Luanda em 2018, reage e diz que Ngonda quer é lançar mais confusão.

“Lucas Ngonda uma vez mais está a lançar manobras dilatórias para ludibriar a opinião pública dentro e fora, nós não acreditamos nestes pretensos contactos que estamos a ouvir com pessoas ou grupinhos, então por quê só agora?”, pergunta Gomes, quem acusa Ngonda de, “neste momento desfavorável”, pretender “semear mais confusão no partido”.

Apesar dos recursos metidos desde o ano passado, o Tribunal Constitucional (TC) não decidiu ainda sobre a legalidade ou não do congresso de Luanda, que elegeu Fernando Gomes como presidente da FNLA, embora tenha anulado o outro congresso realizado no Huambo, que elegeu Ngonda.

Fernando Gomes pede que o TC “seja célere e visionário e ponha cobro a esta situação que, para nós, é a única solução para salvaguardar os superiores interesses da FNLA”.

Aquele político alerta ainda para o facto de, segundo ele, Lucas Ngonda não estar interessado na participação da FNLA nas eleições autárquicas de 2020 e por isso afirma que tudo está as mãos do TC.

“Tudo vai depender do TC decidir sobre o congresso de Luanda”, concluiu Fernando Gomes.

Recorde-se que em entrevista à VOA na segunda-feira, 8, Lucas Ngonda anunciou “contactos avançados” com as sensibilidades que se opõem à sua liderança para mais uma tentativa de reunificação interna da partido angolano.

Ele acrescentou que nos próximos tempos serão publicados os resultados das consultas em curso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.