Se a organização panafricana fez de 2020 o ano do silenciamento das armas o certo é que o barulho das mesmas se tem feito cada vez mais ouvir no continente.

A conflitos por resolver há muito, como os da Líbia, Sahel, Sudão do Sul, Somália, República centro-africana ou leste da RDC, somam-se focos de terrorismo assolando Estados, até recentemente, estáveis.

É o caso do norte de Moçambique, cujos focos de terrorismo têm sido citados com frequência neste fórum.

E isto, não obstante a sua nova chefe da diplomacia, Verónica Macamo, ter afirmado à rfi que Maputo ainda não se refere aos atentados que abalam o norte como sendo manifestações de terrorismo islâmico.

Os únicos presidentes lusófonos presentes neste conclave, o angolano João Lourenço e o cabo-verdiano Jorge Carlos Fonseca, mantiveram hoje um encontro bilateral.

Foi a oportunidade para Fonseca, presidente em exercício da CPLP, Comunidade lusófona, preparar a cimeira do bloco em Luanda em Setembro e convidar Lourenço para o dia da independência do arquipélago a 5 de Julho.

O dia foi também de encontros para Umaro Sissoco Embaló,  que se avistou nesta manhã numa unidade hoteleira da capital, com Mahamadou Issoufou, chefe de Estado nigerino e presidente em exercício da CEDEAO, a Comunidade económica dos Estados da África ocidental.

O candidato mais votado nas presidenciais guineenses de 29 de Dezembro, segundo dados da Comissão de eleições, descartou falar à imprensa.

A CEDEAO que ontem publicou aqui um comunicado, escassas horas após a cimeira extraordinária do bloco, pedindo que a justiça guineense se pronuncie o mais tardar até dia 15 sobre o contencioso eleitoral na Guiné-Bissau.

Quando a União Africana é frequentemente acusada de ineficácia ela não deixa de ser um fórum onde fazem questão de marcar presença os africanos: Embaló que garante tomar posse em Bissau ainda este mês desdobrou-se numa roda viva de contactos.

Também palestinianos, ou a ONU, representada uma vez mais aqui pelo seu secretário-geral, António Guterres, aproveitam este palco mediático e político para promover as respectivas causas.

Mais pormenores aqui.


Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.