Na cidade de Ndalatando, nos bairros Kipata e Vieta, ainda há várias crianças a estudarem em escolas improvisadas - construídas de chapas de zinco, desde o teto às paredes. A situação deixa zangados os pais e encarregados de educação.

Em Ndalatando, capital da província do Kwanza, a DW África falou com o encarregado de educação João Lourenço que se diz preocupado com a suspensão das aulas no país.

"Passaram praticamente dois meses e sabemos que, quanto menos se lê, aquilo que tem vai diminuindo - sobretudo quando à capacidade de aprendizagem" argumenta.

As escolas em Angola foram encerradas no dia 24 de março em virtude da Covid-19. O prazo é prorrogável quinzenalmente, dependendo do desenvolvimento da pandemia.

Ano letivo comprometido

O secretário provincial do Sindicato Nacional de Professores naquela região nordeste de Angola, Domingos Francisco João, mostra-se preocupado com a situação atual que parece ainda longe de ser ultrapassada.

"Estamos a notar que o aprendizado das crianças já está totalmente distorcido, porque estamos a caminhar para o mês de junho. Com os casos [de Covid-19] que agora começam a aparecer de forma comunitária, estamos em crer que ainda se vai renovar [o estado de emergência] por mais 15 dias. Então, o ano (letivo) parece que fica comprometido", considera

Domingos João receia que a situação de suspensão das aulas, aliada aos problemas estruturais do ensino, acabe por prejudicar o país a longo prazo.

"A criança sai da iniciação até ao ensino superior e nunca consegue fazer uma reação química, porque nunca teve acesso ou contato com um laboratório, com qualquer meio que lhe permita sair da teoria para a prática. Nós somos muito teóricos", revela.

Faltam professores

A província tem uma falta aguda de escolas e salas de aula. Neste ano letivo, foram construídas 26 novas escolas e admitidos em concurso público 489 novos professores, mas os investimentos não bastaram para colmatar as lacunas. Para assegurar o processo de ensino e aprendizagem, a província necessita de pelo menos 2.055 professores.

Os habitantes da comuna da Aldeia Nova, no município da Banga, estão revoltados com a falta de escolas em muitas aldeias. Um exemplo é a aldeia de Kyangala, com 222 habitantes, que dispõe de apenas uma escola com duas salas de aula onde aprendem 86 alunos do ensino primário em dois períodos.

A referida escola não tem portas, nem janelas, nem carteiras.

por:content_author: António Domingos (Ndalatando), mc

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.