Na edição deste ano, os chefes de Estado e de Governo africanos reúnem-se sob o tema "Silenciar as armas: Criar condições favoráveis ao desenvolvimento em África", com as discussões centradas na agenda de paz e segurança da organização para o continente.

Durante a cimeira, serão também avaliados os progressos na implementação da agenda de desenvolvimento (Agenda 2063), na operacionalização da Zona de Livre Comércio em África, bem como as contribuições dos Estados-membros para o orçamento da organização e a estratégia de transformação digital do continente, entre outros assuntos.

À margem do encontro, a Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) vai debater a crise pós-eleitoral na Guiné-Bissau, referiu a organização em comunicado.

Na nota emitida na sexta-feira, a CEDEAO pediu aos ministros dos Negócios Estrangeiros dos países da organização para notificarem os respetivos chefes de Estado da reunião extraordinária da organização sub-regional para analisar a crise política após as eleições presidenciais na Guiné-Bissau.

A Guiné-Bissau é representada na cimeira da União Africana pelo presidente cessante do país, José Mário Vaz, que, entretanto, delegou a participação na demissionário ministra dos Negócios Estrangeiros, Suzy Barbosa.

O vencedor declarado pela Comissão Nacional de Eleições (CNE) guineense, Umaro Sissoco Embaló, afirmou, na quinta-feira, que vai estar em Adis Abeba, onde decorre a cimeira da UA.

A Guiné-Bissau passa por mais uma crise política, na sequência das eleições presidenciais, cujos resultados são contestados na justiça por Domingos Simões Pereira, candidato declarado pela CNE como derrotado por Umaro Sissoco Embaló, que já avisou que vai tomar posse, com ou sem o consentimento do presidente do parlamento, no dia 27.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde, Tedros Adhanom, os primeiros-ministros do Canadá, Justin Trudeau, e da Noruega, Erna Solberg, e o Presidente da Palestina, Mahmud Abbas, estão entre os convidados para a cimeira.

Cerca de 9 mil participantes acreditaram-se ‘online’ para o evento, encontros paralelos e reuniões dos vários departamentos da UA.

A União Africana integra 55 países, incluindo Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique e São Tomé e Príncipe, é dirigida por uma comissão e a sua presidência ocupada rotativamente pelos países pelo período de um ano.

A organização reúne-se anualmente em assembleia ordinária em Adis Abeba, na Etiópia, onde tem a sua sede.

A cimeira marcará a passagem da atual presidência do Egito para a África do Sul.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.