Muito embora, o seu filho mais velho, Durão de Monte Negro Cheya Sakaita Savimbi, afirme não entender por que motivo levou 17 anos para que o seu pai fosse condignamente enterrado.

Cheya, como é conhecido, falou a Voz da América sobre a família de Savimbi – como foi crescer com o seu pai, o processo de reconciliação nacional e as razões de luta do seu pai Jonas Savimbi.

Apesar do pouco tempo para convívio com a família, Cheya diz que se lembra de um pai “rigoroso, mas também carinhoso”.

Falando da situação economico-social de Angola, o filho de Savimbi diz que a reconciliação entre o povo todo “está longe de acontecer”, devido à vida que os angolanos levam, acrescentando que não é por esta Angola que o seu pai lutou.

“O sistema de ensino, a saúde, o sistema financeiro não funcionam e não é esta Angola que nós queremos e para o meu pai seria mesmo um escândalo” disse.

Nascido a 3 de agosto de 1934 no Munhango, província do Bié Jonas Savimbi morreu a 22 de fevereiro de 2002, no Lucusse, província do Moxico. A 1 de junho de 2019 os seus restos mortais foram enterrados na Lopitanga, província do Bié.

Leia também:

Eleição de Adalberto Costa Júnior é “transformação espetacular” dentro da UNITA

“Jonas Savimbi não está morto”, disse Isaías Samavuka no elogio fúnebre ao antigo guerrilheiro

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.