Este apelo foi feito no acto de encerramento do curso de formação de oficiais de educação patriotica, pelo comandante da Força Aérea Nacional, general, Altino Carlos dos Santos.

O general apelou ainda aos formandos a transmitirem aos efectivos das FAA, princípios de boa conduta social, capaz de incidir positivamente sobre o estado moral e disciplinar, com o fim de garantir maior produtividade e um exercício laboral de qualidade, tendo em conta as transformações que ocorrem não só nos campos da ciência militar, assim como, nos paradigmas sócio-politicos que norteam a vida nacional e internacional.

No seu discurso, o general, exorta ainda aos novos formandos educativo-patrioticos para o reforço da disciplina e da coesão.

"Deve se encarar a educação patriótica e acção psicológica como um factor de multiplicação de procedimentos nobres na defesa e resgate de valores sustentáveis de uma sociedade como a nossa, ávida de se relançar e continuar a conquistar o seu espaço no contexto das nações", disse.

Afirmou ainda que o paìs espera destes a demonstração dos nobres valores que caracterizam os militares das Forças Armadas Angolanas, dos quais destacamos o patriotismo, a camaradagem, o altruísmo, a disciplina, e o sentido do dever e de unidade nacional,"  e que com o cultivo destes valores será possível conservar as tradições de luta e de conquistas há muito granjeadas e que por meio de vós serão transmitidos as novas gerações que integram as nossas fileiras”.

Aconselhous a realizarem e aperfeiçoarem o sistema integrado e operativo de educação baseado na ética e estética morale legislação angolana,na pedagogia e psicologia militar, historia, sociologia, comando e liderança, cultura geral, em que a difusão e transmissão dos ideais do progresso, de paz, de justiça social, de patriotismo, unidade e solidariedade devem constituir os vectores principais de todo sistema.

"O trabalho de aperfeiçoamento e realização das aulas de educação patriótica deverá continuar a ser desenvolvido e organizado, com base nas instruções metodológicas e nos planos e programas de cumprimentos obrigatório, complementado com informações politicas, meetings e intervenções regulares em paradas junto das tropas”, sublinhou.

Na ocasiao, o comandante da Escola de Arma e Serviço da Força Aérea Nacional, no Namibe, Coronel Paulo Jorge Maquili, salientou que o curso que teve o seu inicio em Agosto de 2018, tendo participado 86 efectivos provenientes de vários pontos do país,onde foram ministradas varias materias militares como o comando e administração, técnica de comunicação, emprego das armas da força aérea nacional, ao passo que em  matérias especiais, foram leccionadas técnicas de teoria de trabalho e acção psicológica.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.