O futuro governo da Guiné-Bissau deve tornar público a lista de países e fundos prometidos durante a mesa redonda de Bruxelas, indicando a sua natureza e as contrapartidas. O apelo consta de uma Carta Aberta que o Movimento Cantanhez, com sede em Coimbra, endereçou ao PAIGC, ao partido vencedor das eleições legislativas de 10 de março.

O documento, que dá corpo ao projeto "Pa Guiné ka Maina", apresenta um conjunto de propostas exequíveis ao futuro primeiro-ministro como contributo para o programa de Governo, de modo a "evitar que a Guiné-Bissau volte a ser um país adiado."

Em janeiro de 2018, quando a Guiné-Bissau se via confrontada com uma crise política sem saída, o movimento, dirigido por Braima Mané, propôs como solução alternativa a tutela da gestão do país pelas Nações Unidas por um período de cinco anos prorrogáveis. O Movimento Cantanhez diz que continua a acreditar nessa posição, visando colocar a Guiné-Bissau no patamar de países de desenvolvimento médio em 10 anos.

"Queremos influenciar com ideias para que o próximo Governo possa, num curto espaço de tempo, dar sinais claros de que pretende, de facto, tirar o país do marasmo em que se encontra", diz Inácio Semedo, vice-presidente e um dos fundadores do Movimento Cantanhez. E para que isso aconteça, sublinha, "o próximo Governo terá obrigatoriamente que ser um governo de gente capaz, de gente coerente, de gente séria, de gente comprometida com o país."

Propostas de governação

Declarações de Inácio Semedo, vice-presidente e um dos fundadores do Movimento Cantanhez, que deposita confiança no futuro primeiro-ministro, a quem apresentam, em Carta Aberta, várias propostas de governação. "A nossa confiança dependerá apenas do Governo e da sua atuação. Se for um Governo determinado em resolver os problemas dos guineenses, naturalmente que nos conquistará a nós e aos guineenses", assegura.

O Movimento quer ver aprovada na Assembleia Nacional Popular um decreto-lei que estabeleça a obrigatoriedade de concurso público para cargos de administração pública. Propõe um pacto com os parceiros sociais de modo a assegurar um clima de estabilidade, que permita colocar o país na senda do desenvolvimento. E também quer ver liquidados os salários em dívida e pede disponibilidade orçamental que garanta o pagamento regular de salários.

De acordo com os promotores da Carta Aberta, será necessário submeter as propostas a um debate público alargado, de modo a colher ideias e contributos de guineenses de vários quadrantes. Isso vai enriquecer ainda mais o programa do Governo e a forma como deve governar o país nos próximos quatro anos.

Aos partidos da oposição, Inácio Semedo deixa um recado: "Não têm que ser inimigos, mas tem de haver, de facto, oposição. Um escrutíneo permanente, uma exigência altíssima, porque o país precisa que a oposição faça oposição, que aponte caminhos, que apresente soluções. Isso é fundamental em qualquer democracia."

"

Acredito que o país vai mudar

"

Na Damaia, freguesia do concelho da Amadora, a DW África ouviu um grupo de cidadãos guineenses. Em todos eles reina a esperança. "Para mim, a esperança é grande. Eu acredito que o país vai mudar", diz Farim Baldé, a viver há 20 anos em Portugal.

Aissatu Dabó encolhe os ombros com receio de falar. Mas depois de muita insistência, acaba por confessar que acredita no futuro primeiro-ministro. "Domingos Simões Pereira vai mudar a Guiné-Bissau."

Ama Demba, antigo combatente a viver há 24 anos em Portugal, também acredita na coligação governamental liderada pelo PAIGC: "Votámos outra vez no PAIGC para mudar. Não é para ficar no mesmo sítio."

Jana Sidibé mora em Portugal há quase 20 anos por razões de saúde. Acidentalmente, foi apanhado por balas perdidas durante o conflito armado de 1998. Não acredita "que haverá tantas mudanças", porque foi sempre o PAIGC quem governou o país. "Nunca houve tranquilidade, nunca alguém governou. Se mudar, vai-me surpreender, porque sempre quem governou o país é aquela mesma tecla", sublinha.

Úmaro Djau, residente em terras lusas há 16 anos, pede união à classe política: "Que possam trabalhar em união para desenvolver o país, porque todos estão a lutar para o mesmo objetivo. O objetivo é para o país ir para a frente." O jovem guineense apela a uma boa governação e cita setores chaves a desenvolver, entre os quais a educação, a saúde e a agricultura.

Na sua maioria, os guineenses na diáspora também expressam o desejo de um dia voltar à Guiné-Bissau assim que houver condições. "Eu, se Deus quiser, vou voltar", promete Farim Baldé.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.