O ex-governador do Cunene, Virgílio Tchiova foi constituído arguido, esta Quarta-feira,depois de ouvidopela Procuradoria-Geral da República, sob acusação de desvios dos bens que se destinavam às populações afectadas pela seca, no Sul de Angola.

De acordo com a imprensa pública, Virgílio Tchiova, vai responder pelo processo número 76/2019, ao qual respondem, igualmente como arguidos, Domingos Huango, ex-secretário geral do governo provincial, Luís Miguel e Silva director do gabinete de Estudos e Planeamento e os assessores Rui China Moçambique e Salomão Himolova.

As investigações estão a ser dirigidas pelo magistrado do Ministério Público, João Panguila, visando avaliar a dimensão da gestão danosa, envolvendo o ex-governador e os seus colaboradores.

Virgílio Tchiova esteve à frente dos destinos da província do Cunene por apenas 16 meses.

O seu sucessor, Sérgio Leonardo Vaz, nomeado em Janeiro deste ano, foi exonerado de seguida pelo Presidente da República, João Lourenço, antes mesmo de tomar posse, por alegados “antecedentes criminais que decorrem nos tribunais do país”.

O líder da ONG “Construindo Comunidades”, Pio Wacussanga, culpa o governo de não ter envolvido a sociedade civil nos mecanismos adoptados para a distribuição das ajudas o que, na sua opinião, facilitou o seu descaminho.

Para o analista Faustino Mumbica, o Presidente João Lourenço não devia insistir na indicação para o seu Executivo de figuras que, no passado, fizeram da corrupção o seu modo de vida.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.