A informação foi veiculada num email dirigido a um dos portugueses que se inscreveram pedindo apoio para regressar a Portugal, depois de Angola fechar as suas fronteiras à circulação de pessoas no dia 20 de março, para tentar evitar a entrada de casos importados da covid-19.

No email, a que a Lusa teve acesso, o consulado informa que a TAP irá voar na quarta-feira de manhã para Portugal, estando igualmente “a ser estudadas outras possibilidades de transporte aéreo”.

Vários cidadãos portugueses conseguiram regressar a Portugal já depois do encerramento de fronteiras, através de voos especiais da transportadora angolana TAAG e voos fretados à EuroAtlantic.

Angola anunciou os dois primeiros casos de infecção pelo novo coronavírus responsável pela covid-19, no sábado, já depois da entrada em vigor da suspensão de fronteiras, que irá durar, pelo menos, 15 dias.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infectou mais de 341 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 15.100 morreram.

Depois de surgir na China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é aquele onde está a surgir actualmente o maior número de casos, com a Itália a ser o país do mundo com maior número de vítimas mortais, com 5.476 mortos em 59.138 casos. Segundo as autoridades italianas, 7.024 dos infectados já estão curados.

A China, sem contar com os territórios de Hong Kong e Macau, onde a epidemia surgiu no final de Dezembro, conta com um total de 81.054 casos, tendo sido registados 3.261 mortes.

Os países mais afectados a seguir à Itália e à China são a Espanha, com 2.182 mortos em 33.089 infecções, o Irão, com 1.812 mortes num total de 23.049 casos, a França, com 674 mortes (16.018 casos), e os Estados Unidos, com 390 mortes (31.057 casos).

Vários países adoptaram medidas excepcionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

 No continente africano há pelo menos 43 mortos devido ao novo coronavírus.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.