Os professores, alunos e funcionários da Universidade de Cabo Verde (Uni-CV) que estiverem em zonas afectadas pelo Covid-19 vão cumprir duas semanas de quarentena quando regressarem ao País, informou hoje a reitora.

Judite Nascimento falava à imprensa à margem de uma palestra de informação sobre o Covid-19 destinada aos trabalhadores e estudantes da Uni-CV, realizada em parceria com Instituto Nacional de Saúde Pública (INSP).

“Apesar de ainda não haver um plano de contingência nacional e ainda não haver um plano de contingência da própria universidade, estamos a preparar-nos”, afirmou a reitora, dando conta que já foram enviadas mensagens a toda a comunidade, prevenindo as pessoas que vêm de países afectados para quando cheguem a Cabo Verde tomarem “as providências necessárias” para uma quarentena de, pelo menos, duas semanas.

Judite Nascimento afirmou ainda que se está a trabalhar no sentido de sensibilizar a comunidade, e que os serviços da universidade estão a se preparar para compensarem a ausência dessas pessoas durante os 15 dias de quarentena, caso houver necessidade.

A reitora não soube precisar o número exacto de pessoas ligadas à Uni-CV que estão em zonas de risco, contudo avançou que são “por volta de sete, ou mais ou menos”.

O certo, garantiu, é que vai haver duas semanas de quarentena para os que estão em zonas afectadas.

“Nós estamos a sensibilizar as pessoas para que tomem medidas, mesmo antes de chegarem a Cabo Verde e, ao chegarem, que tomem as medidas necessárias para impedir a propagação de uma eventual infecção”, acrescentou.

A presidente do INSP, Maria da Luz Lima, por seu lado, aconselhou os professores para, ao regressarem, terem “atenção aos cuidados básicos” e que, no caso de sentirem uma indisposição, ficarem em casa para evitar o risco de transmissão.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.