A pandemia está, em termos gerais, suprimida no território chinês, com apenas um ou nenhum novo caso de origem local anunciados nos últimos dias.

Nas últimas semanas, o Governo chinês ofereceu máscaras, roupas de proteção e luvas a países atingidos pela covid-19, além de enviar especialistas médicos, principalmente para a Itália.

“Às vezes é mais fácil fazer propaganda, [passar] imagens bonitas e instrumentalizar o que está a acontecer”, disse Amélie de Montchalin no domingo, no programa “Questions politiques”, da France Inter, do jornal Le Monde e da France Télévisions.

“Estou a falar sobre a China e sobre a Rússia, que encenam as coisas”, disse, sem, no entanto, dar exemplos concretos.

A China foi acusada por alguns críticos de querer tirar proveito da ajuda que fornece, particularmente aos países europeus, para exaltar o seu modelo político.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da China respondeu, entretanto, sublinhando que o país não percebe a razão das críticas.

“Ouvi, várias vezes, ocidentais mencionarem a palavra ‘propaganda’ em relação à China. Gostaria de lhes perguntar: exatamente a que é que se estão a referir?”, questionou o porta-voz do ministério, Hua Chunying.

“O que é que querem? Que a China fique de braços cruzados face a esta grave epidemia que está a afetar os outros países? Que se mantenha indiferente?”, referiu numa conferência de imprensa, hoje realizada.

Os funcionários das fábricas chinesas de máscaras e de outros materiais de proteção estão atualmente a trabalhar em pleno para responder aos pedidos de países onde esses equipamentos estão em falta.

“Os esforços [desses trabalhadores] devem ser respeitados e não denegridos”, disse Hua Chunying.

A própria França encomendou “mais de mil milhões de máscaras”, sobretudo à China, segundo o ministro da Saúde, Olivier Véran.

“Gostava de perguntar às pessoas que fazem comentários cínicos o que é que estão a fazer contra a pandemia?”, afirmou ainda Hua, acrescentando que a China espera que a pessoa em causa ofereça, por palavras e ações, benefícios à cooperação internacional (contra a covid-19)”.

A França ofereceu, em fevereiro, à China várias toneladas de equipamentos médicos, incluindo fatos de proteção, máscaras, luvas e desinfetantes.

Entretanto, a embaixada chinesa em Haia garantiu hoje que “não há qualquer consideração geopolítica” no seu apoio a outros países para combater o coronavírus e enfatizou que é “normal que alguns problemas surjam”, como aconteceu com o lote de 600.000 máscaras defeituosas recebidas para a Holanda.

O embaixador, Xu Hong, afirmou, em comunicado hoje divulgado, só ter tido conhecimento pela comunicação social do problema com “algumas máscaras compradas” à China pelo Governo holandês e assegurou que tem estado a acompanhar de perto a investigação nos Países Baixos, esperando que “este incidente isolado” não afete a cooperação entre os dois países.

Metade de um lote de 1,3 milhões de máscaras usadas por profissionais de saúde para tratar doentes críticos infetados com a covid-19 foram consideradas defeituosas, colocando em risco médicos e enfermeiros.

A maioria deste material não se encaixa bem no rosto ou tem membranas - os filtros que devem travar as partículas virais - que não funcionam corretamente.

Segundo o Ministério da Saúde, o lote foi entregue com urgência pela China, já que o país estava, na semana passada, em estado de “grande escassez” relativamente a este tipo de material.

Todas as máscaras defeituosas distribuídas pelos hospitais já foram recuperadas, garantiu o ministério.

Xu Hong não confirmou a qualidade defeituosa das máscaras compradas pelo Governo holandês a um fabricante chinês autorizado, mas oferece ajuda das autoridades de Pequim na investigação e pediu para que estes problemas sejam “resolvidos objetivamente”, sublinhando que “não devem ser politizados”.

“O vírus não conhece fronteiras e só fortalecendo a solidariedade e a assistência mútua é que a comunidade internacional conseguirá vencer a batalha contra a pandemia”, lembrou Xu Hong.

“A China continuará a apoiar plenamente os esforços holandeses para combater a pandemia e a trabalhar em conjunto para derrotar o novo coronavírus, que é o inimigo comum”, acrescentou.

 O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 727 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 35 mil.

Dos casos de infeção, pelo menos 142.300 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 396 mil infetados e perto de 25 mil mortos, é aquele onde se regista atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 10.779 mortos em 97.689 casos confirmados até domingo.coro

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.