A medida abrange cidadãos de 36 países, na maioria membros da União Europeia, e visa “facilitar intercâmbios” entre a China e estas nações, de acordo com um comunicado difundido no portal oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China.

“À medida que a prevenção e o controlo da covid-19 se tornaram frequentes (…) a China decidiu agora que cidadãos estrangeiros dos seguintes países, que possuam autorizações de residência válidas (…) podem solicitar vistos gratuitos em qualquer embaixada ou consulado chinês nesses países”, indicou.

A mesma nota lembrou que, após o regresso à China, os residentes estrangeiros terão de cumprir os regulamentos de prevenção epidémica dos respetivos governos locais, o que por norma inclui um período de quarentena, que varia entre duas e três semanas, em instalações designadas pelas autoridades.

A China suspendeu a entrada no país de cidadãos estrangeiros, incluindo portadores de visto ou de autorização de residência, no final de março passado, como medida de prevenção contra a propagação do novo coronavírus.

O país asiático foi o primeiro a diagnosticar casos de covid-19, em dezembro passado, na cidade de Wuhan, no centro do país, mas foi também o primeiro a declarar vitória sobre a doença, depois de restritas medidas de prevenção, que levaram ao isolamento de cidades inteiras e ao confinamento de centenas de milhões de pessoas.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 733 mil mortos e infetou mais de 20 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.