Depois de em Dezembro de 2017 terem concertado posições em Brazzaville, o encontro que desta vez se realiza em Kinshasa, na RDC, se enquadra nas consultas regulares entre os três chefes de Estado de países membros da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (CIGRL).

Na base das permanentes consultas entre representantes dos três países fronteiriços está, entre outros, a remarcação das eleições gerais na RDC, que passaram de  31 de Dezembro de 2017 para  23 de Dezembro de 2018, facto que desagrada a oposição.

Essa situação levou a que a oposição exigisse a saída do Presidente Kabila que constitucionalmente está impedido de voltar a concorrer ao mandato presidencial.

O adiamento alimentou suspeitas de que Joseph Kabila tente eliminar limites constitucionais de mandato, o que deixa latente uma convulsão social interna com prováveis consequências para os países vizinhos.

Entretanto, da parte do Presidente Kabila há o comprometimento de cumprir o calendário eleitoral para o pleito de Dezembro próximo.

Essa posição do Presidente Kabila também já havia sido manifestada aos homólogos de Angola e do Congo, durante uma cimeira sobre o mesmo tema, realizada em Dezembro de 2017, em Brazzaville.

Desde então Angola e Congo seguem mais de perto o processo na RDC, no sentido de ajudarem e junto da comunidade internacional poderem ser garantes de que os objectivos que todos almejam (eleições livres e justas) possam ser alcançados a 23 de Dezembro de 2018.