A medida é uma resposta directa a demandas da comunidade guineense radicada em Cabo Verde, que há muito vem pedindo agilidade na atribuição do estatuto de residente permanente e a solução de vários problemas que a afectam no arquipélago.

“Os dois embaixadores vão preparar um acordo para reforçar o diálogo político e diplomático e resolver alguns problemas das nossas comunidades, principalmente da guineense [em Cabo Verde] no que respeita a documentação e identificação”, anunciou o ministro cabo-verdiano dos Negócios Estrangeiros, Luis Filipe Tavares, no sábado, 14, ao terminar uma visita de dois dias a Bissau.

A anfitriã, a chefe da diplomacia guineense, Suzi Barbosa, que visitou Cabo Verde recentemente e ouviu dos cidadãos guineenses as reclamações, subinhou que “vai ser assinado um acordo que prevê um tratamento especial específico aos residentes guineenses em Cabo Verde”, sendo esse tratamento recíproco”.

Recorde-se que os guineenses constituem a maior comunidade estrangeira residente em Cabo Verde.

Luis Filipe Tavares encabeçou uma delegação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) a Bissau, integrada também pelo do secretário executivo da organização, o embaixador português, Francisco Ribeiro Telles, o embaixador cabo-verdiano em Lisboa, Eurico Monteiro, que tem coordenado o grupo de contacto junto da CPLP.

No final da visita, a chefe da diplomacia guineense revelou também ter luz verde para criar uma estrutura da organização em Bissau.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.