O navio humanitário aguardava desde quarta-feira da semana passada por um porto para atracar.

Na quarta-feira passada o navio tinha 121 pessoas resgatadas e na segunda-feira resgatou e salvou outras 73 no Mediterrâneo central.

A organização não governamental (ONG) anunciou durante a noite que tinham tido permissão para atracar no porto de Messina.

Mas, tal como aconteceu com o navio humanitário Ocean Viking, das ONG Medical Without Borders e SOS Mediterranée, a chegada à Itália vai implicar quarentena, de acordo com as novas normas sanitárias impostas devido à disseminação do coronavírus.

O presidente da região da Sicília, Nello Musumeci, ordenou que a quarentena de 14 dias dos migrantes e da tripulação fosse realizada dentro do navio e não no centro de acolhimento.

No caso do Ocean Viking, as 274 pessoas resgatadas foram isoladas no centro de acolhimento, enquanto 32 tripulantes e um jornalista alemão que estavam a bordo estão em quarentena na costa de Pozzallo, o porto siciliano onde os migrantes foram autorizados a desembarcar.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.