Scott Morrison alertou que o mundo pós-pandemia vai tornar-se mais perigoso e anunciou um foco regional renovado, embora continue a existir abertura para os militares participarem em coligações lideradas pelos Estados Unidos, como no Afeganistão e no Iraque, campanhas avaliadas como de interesse nacional.

A Austrália não vê tanta incerteza económica e estratégica na região desde a Segunda Guerra Mundial, por razões que incluem tensões entre os Estados Unidos e a China, salientou o governante.

"Essa verdade simples e é a seguinte: mesmo olhando para a pandemia da COVID-19 em casa, precisamos também nos preparar para um mundo 'pós-covid' mais pobre, mais perigoso e mais desordenado", sublinhou Morrison.

As tensões sobre reivindicações territoriais estão a aumentar entre a Índia e a China e no Mar do Sul da China, apontou.

"O risco de erro de cálculo e até de conflito é maior", até porque "a modernização militar regional está a acontecer a um ritmo sem precedentes", disse.

A Austrália investirá em recursos mais letais e de longo alcance para afastar potenciais inimigos das suas costas.

Para aumentar a capacidade de ataque marítimo, a Austrália vai comprar o míssil AGM-158C da Marinha dos Estados Unidos (EUA) a um custo estimado de 800 milhões de dólares australianos (491 milhões de euros), informou o Governo.

O novo míssil é uma atualização significativa do atual míssil antiaéreo Harpoon, lançado na Austrália, AGM-84, que foi introduzido no início dos anos 80. Tem um alcance de 124 quilómetros, enquanto o míssil a adquirir pode exceder os 370 quilómetros.

O novo míssil será inicialmente usado nos caças Super Hornet F/A-18F, mas pode ser usado por outras aeronaves de defesa. A formação no sistema de armas começará no próximo ano, avançou o Governo.

A Austrália também vai investir em recursos avançados de ataque naval, incluindo armas de longo alcance contra navios e ataques terrestres, e em sistemas de mísseis para dar ao exército uma capacidade operacional de ataque.

Por outro lado, planeia desenvolver e testar armas de ataque de alta velocidade e longo alcance, incluindo armas hipersónicas.

O anúncio ocorre quando o relacionamento da Austrália com a China, o parceiro comercial mais importante, está sob uma pressão após pedidos australianos de uma investigação independente à pandemia.

Os EUA, o parceiro de segurança mais importante da Austrália desde a Segunda Guerra Mundial, continuam a ser "a base de (...) política de defesa" australiana, sustentou Morrison.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.