Depois de um curto interregno, Mariano Nhongo e os seus homens, que formam um grupo de dissidentes da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO, o maior partido da oposição), voltam a atacar e com uma maior frequência, num curto espaço de tempo.

Em menos de 48 horas, efetuaram três ataques contra autocarros entre as províncias centrais de Manica e Sofala. As ações de quinta-feira passada resultaram em cinco feridos e a ação de sexta-feira fez um morto e quatro feridos.

Para Calton Cadeado, especialista em paz e segurança do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, em Maputo, o intensificar das ações da autoproclamada "Junta Militar", o grupo dissidente da RENAMO, acontece porque "as Forças de Defesa e Segurança (FDS) estão a fazer ataques contra Mariano Nhongo e, por esse motivo, o Nhongo está a contra-atacar."

"Isto é uma ação de retaliação que também serve para obrigar as FDS a diminuirem ou até parar os ataques contra o Nhongo".

Outra hipótese, de acordo com o investigador, é que "Nhongo está com problemas de logística e/ou de mantimentos. Neste contexto, os ataques podem ser fonte de (re)abastecimento", cogita.

É ainda avançada uma terceira hipótese para o recrudescimento das ações do líder dissidente: segundo o jornalista e diretor do semanário Savana, Fernando Lima, pode ser uma manobra de pressão.

"Há iniciativas de bastidores em curso para resolver o problema de Mariano Nnhongo, que aparentemente não estão a trazer resultado. E isso estaria a frustrar o líder da "Junta Militar". Então, a resposta de Nhongo é fazer os ataques para aumentar a pressão sobre os que estão na dianteira do processo para resolver o assunto", entende Fernando Lima.

Embora tenha assumido a autoria dos ataques, o líder dissidente não justificou a intensificação das investidas.

Algumas vezes, Mariano Nhongo já se mostrou disponível para dialogar com o Governo e pôr fim aos ataques. Contudo, rejeita algumas possibilidades apresentadas, como por exemplo uma mediação sob os auspícios do Conselho Cristão de Moçambique. A instituição diponibilizou-se para tal em finais de fevereiro passado.

Mariano Nhongo diz ter enviado um documento ao Governo onde exprime o descontentamento da autoproclamada "Junta Militar" e manifesta abertura para o diálogo.

Entre outras coisas, a "Junta Militar" está revoltada com o líder da RENAMO, Ossufo Momade. Acusam-no de falhas e falta de seriedade ao negociar com o Governo da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) o Acordo de Paz e Reconciliação Nacional, assinado a 6 de agosto. Mariano Nhongo e o seu grupo não reconhecem o documento.

Autor: Nádia Issufo

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.