Marcelo Rebelo de Sousa assumiu esta posição em conferência de imprensa conjunta com o Presidente angolano, João Lourenço, no Palácio de Belém, em Lisboa, após ser questionado se "Portugal nunca pensou em reparar este período negro que marcou a relação entre Angola, os povos angolanos e o Estado português".

"Também reconheço, e reconhecemos todos, aquilo que houve, olhando retrospetivamente, de menos positivo ou errado na nossa história, ou de injusto para outros na nossa história: perseguições religiosas, perseguições sociais, escravatura, outras formas de dominação ou de exploração, e assumindo plena responsabilidade por isso", respondeu.

Com João Lourenço ao seu lado, o chefe de Estado português referiu: "Já o assumi várias vezes, não ficando apenas no mais fácil, que é pedir desculpa sem assumir responsabilidade".

"É muito mais importante assumir a responsabilidade plena por aquilo que de menos bom houve na nossa história. Eu assumo, e assumo como cidadão e assumo Presidente da República Portuguesa, sem complexos, como assumo o muito de bom que fizemos ao longo da nossa história", acrescentou.