Em declarações à agência Lusa, em Luanda, Barros Licença, diretor Nacional para os Direitos de Autor e Conexos do Ministério da Cultura de Angola, indicou que a ideia é "tornar efetiva" a proteção autoral dos diferentes artistas angolanos, lembrando que uma primeira lei de 2007 foi já ultrapassada por uma outra, de 2015, faltando regulá-la.

Segundo Barros Licença, o executivo do Presidente João Lourenço, através do Ministério da Cultura, quer estabelecer as normas de fiscalização do funcionamento dos agentes do sistema, nomeadamente nas áreas da usurpação, contrafação e plágio, ao mesmo tempo que cria um "selo de garantia" de um produto.

"Há os usuários, que usufruem das obras, os criadores e as entidades de gestão coletiva entre os próprios privados e a gestão administrativa e a judicial. Todos têm o seu papel na distinção entre as obras originais e as falsificadas ou pirateadas", disse, no final de uma sessão de apresentação do diploma junto de vários artistas e escritores.

A ideia é, acrescentou, elaborar o regulamento sobre autenticação, produção e distribuição dos bens intelectuais para fins comerciais - livros, discos - que, como produtos, deverão ter um selo de certificação.

Questionado pela Lusa sobre qual o panorama do setor em Angola, Barros Licença indicou que o primeiro projeto nesse sentido foi criado em 1990, com a Lei da Proteção dos Direitos de Autor que, dois anos depois, permitiu criar a Sociedade Angolana dos Direitos Autorais (SADIA) que, com base na lei, estabeleceu um tarifário para a cobrança.

"Foi-se cumprindo, só que de forma deficiente. Foi-se degradando, dando lugar ao surgimento, há cerca de três anos, da UNAC [União Nacional de Autores e Compositores], que pôs cobro ao monopólio da SADIA, através da lei 15/2014, que abriu a porta a quaisquer outras associações do género como entidades de gestão coletiva", respondeu.

"É isto que agora estamos a afinar, para que o sistema funcione com todos os seus agentes", sublinhou Barros Licença.

Aquele responsável do Ministério da Cultura angolano lamentou, porém, que as duas entidades de gestão coletiva nacionais [SADIA e UNAC] ainda não estejam a exercer a atividade.

"Por um lado, por questões internas de organização e necessidade de adequação ao novo diploma e, por outro, também porque há uma responsabilidade do Estado, que tem de aprovar tarifário, cuja publicação ainda está por acontecer", sublinhou.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.